domingo, 31 de julho de 2011

Insetívoros

Insetívoros

A ordem Insectivora (do latim: insectum, inseto + vorare, comer) é uma ordem de mamíferos placentários obsoleta, e não mais utilizada nos sistemas de classificação modernos. Em sua história abrigou diversos grupos de animais, como as toupeiras, os musaranhos, os musaranhos-elefantes, os musaranhos-arborícolas, os tenrecos, as toupeiras-douradas e os lêmures-voadores, além de diversas formas fósseis. Geralmente era constituída por mamíferos primitivos, de tamanho pequeno e de hábitosinsetívoros.
Inicialmente a ordem Insectivora era constituída de nove famílias recentes. Em 1866, Haeckel propôs a divisão da ordem em duas subordens baseado no ceco, Menotyphla para insetívoros com ceco (lêmures-voadores, musaranhos-elefantes emusaranhos-arborícolas), e Lipotyphla, para insetívoros sem o ceco (toupeiras-douradas, tenrecos, toupeiras, musaranhos, ouriços e solenodontes). Em 1885, Leche, removeu os lêmures-voadores e os posicionou junto aos primatas (só em 1945, Simpson os colocaria em uma ordem própria).
Butler, em 1956, elevou os musaranhos-arborícolas a uma ordem própria, a Scandentia; e, em 1972, os musaranhos-elefantes à ordem Macroscelidea. A ordem Insectivora passava então, a conter apenas o grupo Lipotyphla. E, em 1988, Butler elevou à ordem o táxon Lipotyphla (sinonimizando-o ao Insectivora).
Em 1997, McKenna e Bell, elevam o termo Lipotyphla (sinônimo de Insectivora) a superordem, englobando três ordens: Chrysochloroidea, Erinaceomorpha e Soricomorpha. Em 1998, Stanhope et al., comprovam a polifilia do grupo, agrupando os tenrecos e toupeira-douradas numa nova ordem, a Afrosoricida, e num novo grupo, o Afrotheria. Em 1999, Waddell, Okada e Hasegawa, agrupam o restante dos Lipotyphla, numa nova ordem, a Eulipotyphla. Estudos posteriores, dividiram a nova ordem, em duas, Erinaceomorpha e Soricomorpha.
Topeiras-Nariz-de-Estrela
A Toupeira-nariz-de-estrela (Condylura cristata) é um pequeno mamífero cavador que vivie em túneis que cava no subterrâneo na América do Norte. Esse animal é notável pelo seu nariz repleto de pequenos apêndices, como se fossem tentáculos, que servem como órgãos sensoriais de tato e ajudam a toupeira a se guiar no escuro de seus túneis. A toupeira necessita desses tentáculos para procurar alimento, já que é, como muitas outras espécies de toupeiras, cega. É um dos mamíferos mais peculiares existentes.
Com 15 a 20 centímetros de comprimento, pelo a prova d'água e uma longa cauda, essa topupeira vive próxima a rios e lagos e é boa nadadora, além de cavadora. Sua alimentação consiste de pequenos invertebrados. Seus hábitos são tanto noturnosquanto diurnos e ela encontra-se ativa durante todo o ano, não hibernando durante o inverno.

Toupeira-Aquaticus
é uma espécie de mamífero da família Talpidae. É a única espécie do gênero Scalopus. Pode ser encontrada no México, Estados Unidos da América e Canadá.

Toupeira-de-Água
é uma espécie de mamífero da família Talpidae. É a única espécie do gênero Galemys. Pode ser encontrada nos Pirineus e na Península Ibérica.
Têm pêlo castanho escuro e negro e têm cerca de 12 centímetros de comprimento. O corpo é fusiforme (afunilado) cujas extremidades são compostas pelo proboscis (uma espécie de tromba) e por uma longa cauda. Os olhos são pequenos e não existem pavilhões auriculares.
Em Portugal é conhecida como toupeira-de-água, rato-papialvo, rato-de-bico-comprido ou rato-almiscareiro.
É uma espécie semiaquática que vive em rios e ribeiros, construindo os abrigos nas suas margens.
Talpa

Mogera


Topeira-Dourada

A toupeira dourada (Chrysochloridae), somente encontrada na África equatorial e austral, é um bichinho que tem uma característica muito peculiar: é surda e cega (não tem olhos) e passam quase o tempo todo cavando a procura de comida.
Passa a noite inteira cavando pequenos túneis na areia em busca de insetos, formigas e cupins e de dia se enterra na areia para se proteger do calor do deserto.


Tenreco-Comum

Tenrec comum (Ecaudatus de Tenrec), também como Cauda-menos Tenrec, é uma espécie de mamífero no Tenrecidae família. Encontra-se dentro Cômoros, Madagascar,Mauritius, Réunion, e Seychelles. Seu natural habitats seja subtropical ou tropical sequeflorestas, húmido húmido subtropical ou tropical das florestas da planície, o subtropical ou o tropical montanes, seco savanna, o savanna húmido, subtropical ou tropical seca shrubland, planície seca húmida subtropical ou tropical do shrubland, a subtropical ou a tropical da elevado-altura do shrubland, a subtropical ou a tropical grassland, grassland subtropical ou tropical da elevado-altura, terra arable, pastureland, plantações, jardins rurais, e áreas urbanas.
O Tenrec comum é a espécie a maior da terra-moradia de tenrec. É 26 a 39 cm (½ 10 a 15 em) no comprimento e pesa 1.5 a 2.5 quilograma (¼ 3 ao ½ 5 libra). Tem cinza de tamanho médio, grosseiro à pele avermelhado-cinzenta e long, spines afiados ao longo de seu corpo. Come não somente pequeno invertebrados entre as folhas, mas também limpa e caça râs e ratos. Se ameaçado, este tenrec gritará, erige seus cabelos spiny a uma crista, a um salto, a um buck e a uma mordida. Protege em um ninho da grama e sae sob uma rocha, um registro ou um arbusto pelo dia. Dá o nascimento a uma maca de 10-12 após a gestation de 50-60 dias e quando os jovens, eles tiverem uma aparência listrada black-and-white. Apesar às vezes de ser sabido como a Cauda-Menos Tenrec, têm uma cauda pequena 1 a 1.5 cm (⅜ ao ½ dentro) no comprimento.

Tenreco (Lesser Hedgehog)
é uma espécie de tenreco endêmico de Madagascar, onde pode ser encontrada nas porções sul e sudoeste. É a única espécie do gênero Echinops.

Tenreco (Lowland Streaked)

Ouriços
Tais animais possuem o dorso coberto por espinhos curtos e lisos, e as partes inferiores por pêlos. Vernacularmente são denominados de ouriços.
Há no mundo 16 espécies de ouriços divididas em cinco gêneros, encontrados em partes da Europa, Ásia, África e Nova Zelândia. Não há espécies nativas na Austrália nem na América do Norte ou do do Sul, e os encontrados na Nova Zelândia foram introduzidos. São mamíferos insetívoros que mudaram pouco nos últimos 15 milhões de anos e que se adaptaram à vida noturna.
Os ouriços são animais principalmente noturnos, que se alimentam de insectos, caracóis, lesmas e de vegetais. Os seus predadores principais são as corujas e os furões. O ouriço conta com a sua coloração como camuflagem, mas quando ameaçado enrola-se numa bola expondo apenas a face coberta de espinhos.
Geralmente, a comunidade científica faz clara diferença entre o ouriço e o porco-espinho (Hystrix cristata), que é um roedor. No entanto, em Portugal e na Galiza, o ouriço-terrestre (Erinaceus europaeus) recebe indistintamente os nomes de porco-espinho, ouriço, ouriço-cacho, ouriço-cacheiro ou rescacheiro, posto que o habitat do Hystrix cristata na Europa se limita ao sul da península italiana (Sicília e Nápoles), onde foram introduzidos pelos romanos a partir da África.
Uma diferença importante entre estas duas espécies é que os espinhos do ouriço, ao contrário dos do porco-espinho, não se soltam naturalmente, nem são venenosos.
Graças à sua dieta, os ouriços são importantes no controle de pragas, já que são capazes de comer várias vezes o seu próprio peso em insectos e anelídeos.
Os ouriços têm mais de dezasseis mil picos e usam-nos para diferentes necessidades:camuflagem, defesa,ataque, transporte de comida.
Os ouriço possuem um focinho pequeno e quatro patas que se mobilizam bastante bem. Possui tambem uma cauda de 5 cm.
O ouriço hiberna no inverno durante aproximadamente 3 meses, antes recolhe comida e mantimentos para a sua hibernação.
Ouriço-da-Algéria
Ouriço-Terrestre ou Ouriço-Cacheiro
Ouriço-Pigneu-Africano
Ouriço-Europeu-Albino
Erinaceus-Concolor
Erinaceus-Amurensis
Erinaceus-Roumanicus
Colugo ou Lêmure-Voador
O Colugo é um mamífero arborícola escalador encontrado no sudoeste asiático. Há somente duas espécies, cada uma delas em seu próprio gênero, as quais formam toda uma família. Cynocephalidae e ordem Dermoptera. Embora sejam os mais capazes de todos os mamíferos escaladores, eles não podem voar de verdade, apenas planar. Eles também são conhecidos como cobegos ou lêmures voadores (embora não sejam lêmures e nem possam voar).
Os colugos são razoavelmente grandes para um mamífero arborícola: em aproximadamente 35 a 40 cm de comprimento e 1 ou 2 quilogramas de peso, são comparáveis a um de tamanho médio gambá ou a um esquilo muito grande. Têm os membros moderadamente longos, delgados, de comprimento dianteiros e traseiros iguais , uma cauda de comprimento médio, e uma configuração corporal relativamente esguia. A cabeça é pequena, com os olhos grandes, focalizados frontalmente para a visão binocular excelente, e orelhas pequenas, arredondadas. Quando nasce, o colugo pesa somente aproximadamente 35g e não alcança o tamanho de adulto por 2-3 anos.
Sua mais distinta característica, entretanto, é a membrana de pele que se estende entre seus membros e lhes dá a habilidade de saltar parciamente planando longas distâncias entre árvores. De todos os mamíferos saltadores, os colugos têm a adaptação mais extensiva ao vôo. Sua membrana de planagem, ou patagium, é tão grande quanto é geométricamente possível: funciona das omoplatas às patas dianteiras, da ponta do dedo mais externo à ponta dos dedos do pé, e dos pés traseiros à ponta da cauda;[2] ao contrário de outros mamíferos saltadores conhecidos mesmo os espaços entre os dedos e os dedos do pé é ligado de maneira a aumentar a área de superfície total, como nas asas dos morcegos. Em conseqüência, os colugos foram considerados tradicionalmente ser mais próximos dos antepassados dos morcegos, mas são vistos agora geralmente como os parentes vivos mais próximos dos primatas.
Colugo-das-Fiipinas
Musaranho-Pigneu
O musaranho-pigmeu (Suncus etruscus) é o menor mamifero de todos os não-voadores, tendo apenas 52 mm de comprimento e uma cauda de 30 mm. O musaranho-pigmeu costuma ser encontrado nos campos, florestas e vales da Europamediterrânea e também na África. Quando chega a noite, o musaranho, que consegue comer em pouco tempo uma determinada quantidade maior que seu peso, caça insetos, aranhas, vermes e larvas. Acredita-se que se o musaranho ficasse mais de dez horas sem alimentação, morreria rapidamente.
Seus filhotes costumam nascer cegos e pelados, e tornam-se independentes em poucos dias. Os filhotes nascem de uma gestação de 3 a 4 semanas, menores que uma abelha.
De comportamento valente e agressivo, tendo 30 dentes afiados, o musaranho-pigmeu é solitário, e pode chegar à morte se ficar exporto à luz do dia por um longo período; por isso se abriga em pedras e raízes de árvores. Sua defesa contra predadores é expelir um cheiro forte da sua própria pele. Seu coração bate aproximadamente 1 200 vezes por minuto.
Musaranho-Blarina
Musaranho-Elefante
Esse estranho insentívoro é tão bem esquipado para caçar insetos que consegue apanhá-los em pleno vôo. Qual é a sua arma? É uma tromba móvel, que na verdade constitui uma extensão do focinho e que pode se movimentar em qualquer direção. O musaranho elefante também tem as pernas traseiras longas; por isso ele pode saltar como um canguru assim que localiza um mosquito. O focinho comprido também lhe serve para escavar o chão e as rachaduras das rochas.
Existem 21 tipos de musaranho-elefantes, diferindo principalmente quanto ao tamanho; todos ocorrem na África. O musaranho elefante de orelhas curtas habita planícies semi-áridas e desertos onde a vegetação consiste em arbustos espinhosos; é encontrado desde os montes Atlas até as regiões meridionais da África do Norte. Acordam cedo e caçam insetos durante toda a parte mais quente do dia. Gostam tanto do calor que se esparramam nas rochas tomando sol. Gostam também de brincar uns com os outros. É fácil criar musaranhos elefantes no cativeiro. É curioso que nessas condições eles adquirem hábitos noturnos. A fêmea tem ninhadas de um ou dois filhotes. O filhote já nasce coberto de pêlos e é muito ativo.
Musaranho-Elefante-Gigante

Nenhum comentário:

Postar um comentário